domingo, fevereiro 05, 2006

Chegando de Resende

Bom pessoal, estou de novo diante diante do Pc, chegando de uma pequena viagem que fiz até a cidade de Resende, onde fui o Preletor do 16º aniversário do Grupo Jovem Chama Viva, cujas imagens pretendo postar, assim que possível. Juntamente com a minha esposa, a viagem foi tranquila e agradável já que contamos coma acompanhia agradabilíma de um casal abençoado que nos conduziu até ali: O Dc Avilmar e sua esposa Irmã Isa. Demais !
Como no comentário inicial enfatizei, abordar a cultura que gira em torno da figura do Pregador ou Preletor é intenção primeira desse despretencioso espaço. Por isso quero tomar a liberdade de descrever os passos e momentos da vida de um Pregador. E se vocês me dão licença... nada melhor do que falar da minha própria vida, pois falar da vida dos outros é complicado... concordam ?
Levaremos em consideração que para atuar como Preletor, é necessário que o pretendente passe pelo "chamado" ou "convocação" o que pode ser entendido aqui como "conversão". Ao contrário do que muitos pensam, converter-se a fé cristã não é uma decisão covarde de pessoas que fogem dos seus problemas procurando auxilio espiritual. A conversão é na verdade um processo de amadurecimento pessoal que a criatura tem em relação a sua existência. Ou você acha que a sua vida se resume apenas a "isso"?
Foi tentado responder a essa pergunta que comecei a amadurecer em mim a vocação até então adormecida e que precisava ser despertada. Certa vez alguém me disse: Você é mais um destes covardes que se escondem atrás de um paletó, uma gravata e uma Bíblia para fugir da realidade, e que quando vêem a coisa "preta" correm aos pés de Cristo ? Eu lhe disse que até pode existir este tipo de pessoa, mais que não era o meu caso. Pois eu vim a Cristo, praticamente em um momento da minha vida em que teoricamente "eu menos precisava dele". Récem saído do quartel, morando sozinho, gozando de uma saúde de ferro, dono de uma equipe de som onde era o discotecário e portanto a estrela do espetáculo e trabalhando na Guarda Municipal emprego fixo e garantido, já que era concursado. O que eu menos precisava naquele momento era de uma religião que viesse a "censurar a minha liberdade" ( guarde esta parte ) pois estava feliz com meu momento, com minha mociade. Bem eu não precisava de Cristo, mas não se escandalize, Ele precisava de mim !
Um dia ao término de um baile eu me preparava para tocar a saideira ( a última música ) e dei uma contemplada a minha frente, ví o salão do baile repleto de pessoas escondidas pelo manto da escuridão, onde só se percebia movimentos alucinados retocados pela luz estroboscópica, ao passo que a música foi chegando ao seu fim, um a um os refletores do salão começaram a ser acessos e juntamente com a luz vieram a mim as revelações que não podia perceber enquanto o ambiente estava "em trevas". As cenas que mais me impressionaram foi a de um casal cujo rapaz estava espancando violentamente sua parceira em um canto do salão sem que ninguém interferisse. Eram socos, chutes e pontapés de todas as formas possíveis em uma seqüencia brutal. Incrível! Do outro lado do salão um jovem estava tendo convulsões e as pessoas passavam por cima dele "literalmente" e também estavam insensíveis a sua situação. E eu me perguntava: Como pode ? Apenas para completar a descrição um homen de aparentemente 60 anos mais ou menos estava aos amassos com uma jovem de não mais do que 15 anos ... ! Parei no tempo, olhei na minha mão e o copo de Contini estava lá com a pedra de gelo que parecia inderretível, pois não faço a mínima ídeia de quando coloquei-a alí e para ser sincero nem de quando peguei aquele copo! Pude então perceber que na nossa vida algumas coisas acontecem e nós simplismente não às percebemos, principalmente quando estão dissimuladas em meio a trevas. Comecei a me questionar: Então é isso a minha vida? E só isso que Deus tem para mim? Uma alegria que dura pouco mais de 6 horas regadas a contini ( o meu caso ), no de outros ( drogas e orgias ) são comuns. Mas que ao término volto a minha vida medíocre em que sou obrigado a encarar a realidade de que não vivo sempre alegre e feliz assim, e que tenho tristezas, problemas para resolver e tantas outras coisas que um baile não tem? Então é só isso ?
Saí do baile naquele dia super confuso e ao chegar em casa sentei em frente ao portão me negando a entrar e deparar com aminha realidade que eu sabia, me aguardava com um sorriso sarcástico lá dentro. Você entende o que quero dizer ! Enquanto estava sentado em frente ao portão e pensava em alguma alternativa para encontrar uma felicidade que fosse duradoura, que não fosse falsa e que estivesse acessível a mim.. foi aí que eu ví um anjo !
- Espere aí que vou aqui beber água e volto já !
(enquanto isso ouça um pedaço de uma de minhas preleções !)
Obs.: Assim que descobrir como fazer isso, será feito. se alguém quiser me ajudar ... !

2 comentários:

Antonio Almeida disse...

Se voce precisar de ajuda para postar som visite meu blog, lá creio que poderei ajudá-lo, repare na poesia do Thiago de Mello, que la postei, ser for isso... posso ajudá-lo
http://olharesdocotidiano.blogspot.com/

Parabens amigo...
Paz e Saúde....

umadesc disse...

Pb.Edson meu chapa parabens pela iniciativa, nós vamos chegar até a onde a nossa visão...
Sucesso!
Ev. Antônio Chagas